Tipologia Comportamental do Desperdício de Alimentos

Fonte da imagem

No Brasil, muitas famílias passam fome. Segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD, 2013) 22,6% dos domicílios entrevistados estavam em insegurança alimentar. Entretanto, o Instituto Akatu aponta que o brasileiro desperdiça cerca de 205 gramas de alimento por dia, o equivalente a um gasto familiar de R$171,00 em alimentos jogado no lixo a cada mês do ano para uma família de três integrantes. Esse conhecido “paradoxo do desperdício de alimento” é uma intrigante realidade do nosso país.

Em 2015, motivado pelo tema, Gustavo Porpino de Araújo realizou sua pesquisa de doutorado pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA). Ao avaliar o comportamento do consumidor nos EUA e no Brasil, ele afirma que não são apenas os mais ricos que esbanjam alimentos no Brasil. O expressivo desperdício de alimentos ocorre entre as famílias de classe média baixa, que representam a maior fatia da população brasileira. Segundo Porpino, o motivo de tanto desperdício se deve predominantemente a hábitos brasileiros de fartura e de hospitalidade. Um dos resultados de seu trabalho foi a interessante classificação tipológica do comportamento do desperdício de alimentos de consumidores de baixa renda, podendo estabelecer comparações entre as duas amostras populacionais. Assim, as mães responsáveis pela alimentação de suas famílias foram classificadas dentro dos perfis:

1)      Mães carinhosas/caring mothers: São aquelas que adoram prover a família e alimentá-la como forma de demonstrar afeto e cuidado, onde as refeições envolvem prazer, carinho e hospitalidade. Ocorrem os exageros na compra de guloseimas e das chamadas comfort foods (com valor sentimental ou nostálgico e quase sempre com alto nível calórico), em que os beliscos entre as refeições levam a aumento de sobras de alimentos no jantar.

Frase típica: "Que tal um lanchinho?”

2)       Cozinheiras abundantes/heavy cooks: Mães que preparam fartas porções dos alimentos, quer por motivo de status econômico ou de hospitalidade. As grandes quantidades expressam segurança econômica da família e dá boas-vindas a visitas, caso elas cheguem de surpresa.

Frase típica: "É melhor sobrar comida do que faltar".

3)      Desperdiçadoras de sobras/leftovers killers: Essas mães valorizam a comida fresca, as quais são preparadas a cada dia. Reaproveitar alimentos não faz parte dos seus hábitos. As vésperas dos finais de semana são os dias de maior desperdício, pois as reuniões familiares requerem refeições fartas e especialmente preparadas.

Frase típica: "Comer o que sobrou de ontem é muito mesquinho. Prefiro o arroz fresquinho".

4)      Procrastinadoras/procrastinators: São as mães que costumam guardar as sobras de alimentos na geladeira por se sentirem culpadas em desperdiçar. Entretanto, é sabido que todo o conteúdo dos potinhos, panelas e recipientes com restos acabarão indo para o lixo.

Fase típica: "Jogar comida fora em um mundo com tanta gente faminta é pecado. Tenho que guardar o que sobrou".

5)       Mães versáteis/resourceful mothers: Essas mães são cuidadosas no preparo de alimentos em menor quantidade, ou de modo mais adequado, e se mostram criativas ao reinventam pratos a partir do que sobrou. O planejamento desde a compra até o preparo é bem calculado para evitar desperdícios.

Fase típica: "O arroz que sobrou vai virar um ótimo risoto e as sobras dos legumes podem se transformar numa fritada".

Você se identificou com algum desses comportamentos?

Seja qual for a sua classificação, nosso objetivo é mostrar que uma reflexão consciente exige tomada de decisão e atitude para evitar os comportamentos 1 ao 4 de desperdício alimentar.

O resultado da pesquisa mostra a comparação entre o comportamento nos EUA e no Brasil:

EUA

Brasil

“Cozinheiras abundantes” (30%)

“Desperdiçadoras de sobras” (42%)

“Mães carinhosas” (20%)

“Cozinheiras abundantes” (21%)

“Procrastinadoras” (20%)

“Mães versáteis” (17%)

“Mães versáteis” (15%)

“Mães carinhosas” (8%)

“Desperdiçadoras de sobras” (15%)

“Procrastinadoras” (4%)

 Para reduzir o desperdício de alimentos e economizar dinheiro do orçamento doméstico, a EMBRAPA lançou no Brasil o aplicativo Food Keeper com dicas para manter o frescor e a qualidade dos alimentos.

Participe dessa iniciativa, seja consciente!

Autoria: Júlia Feltrin Ivers

REFERÊNCIA: http://www.bbc.com/portuguese/brasil-39296186