Você entende o rótulo dos alimentos?

Rotulagem Já 

Fonte da Imagem

A epidemia da obesidade e doenças crônicas não transmissíveis vem progredindo ano a ano. Uma forte aliada no combate a essa “catástrofe iminente”, como já dizia Margaret Chan, diretora da Organização Mundial da Saúde em 2011, e o acesso a informação da população.

Alimentos com alta densidade energética, ricos em açúcares, gorduras e sal estão cada vez mais presentas nas nossas dietas e muitas vezes a população não percebe a presença destes ingredientes nos alimentos que consume por falta informação no rotulo nutricional. De acordo com uma pesquisa realizada pelo IDEC em 2016 com 2.651 internautas, os problemas mais comuns na leitura dos rótulos são as informações escondidas, letras pequenas, uso de termos técnicos, poluição visual e necessidade de cálculo.  Quando questionados sobre a necessidade de mudança dos rótulos, 98,6% dos entrevistados disseram que são a favor da inclusão do teor de açúcar no rotulo, 79,8% acreditam que a informação nutricional a cada 100g do produto facilitaria a comparação entre marcas e produtos, e 93,3% acreditam que um rotulo na frente da embalagem facilitaria na compreensão da informação nutricional. O chamado “rotulo frontal” já pode ser encontrado em países como o Equador, que utilizam de cores de semáforo para indicar se o alimento tem baixo, médio ou alto teor de alguns nutrientes, como por exemplo, o açúcar e a gordura, e o Chile, cujos rótulos contam com “selinhos” pretos com alertas sobre os altos teores de nutrientes nocivos à saúde. 

Rótulos mais claros e de fácil compreensão pela população é uma ferramenta útil e importante na escolha de alimentos mais saudáveis! Apoie a causa! Siga a página do Facebook da campanha e acompanhe as notícias desta ação!

Leia mais aqui.

Autoria: Sarah Warkentin