As cinco tendências em alimentação de 2017 – Fique de olho!

2017 promete! Muitas são as discussões sobre o que estamos consumindo nos dias de hoje. Veja abaixo as cinco tendências listadas pela National Geographic em Dezembro de 2016 (http://www.nationalgeographic.com/people-and-culture/food/the-plate/2016/12/5-food-trends-to-watch-in-2017/):

1.       Um dos temas mais discutidos na mídia (veja a matéria do Portal http://www.saude.br/index.php/articles/artigos/alimentos-e-publicidade/112-alimentos-e-publicidade/425-impostos-para-bebidas-acucaradas-por-que-aplicar) é a taxação de bebidas açucaradas como estratégia para reduzir a obesidade mundial. Essa nova política tem sido aplicada em países como o México, Bélgica, Hungria, Finlândia, Chile, França, Reino Unido, Portugal e alguns estados dos Estados Unidos – como por exemplo a Filadélfia que, de acordo com as ultimas noticias (veja mais aqui: http://www.philly.com/philly/news/Soda-companies-supermarkets-report-50-percent-losses-from-soda-tax.html), teve uma redução na venda de bebidas açucaradas por conta da taxação. Recentemente, um estudo comprova também a redução de 5,5% em 2014 e 9,7% em 2015 na venda de refrigerantes no México (veja mais aqui: http://content.healthaffairs.org/content/early/2017/02/16/hlthaff.2016.1231.abstract).

As indústrias alimentícias, por outro lado, não deixam barato: Uma pesquisa recente questiona o limite diário de 10% do valor energético total de consumo de açúcar. De acordo com Marion Nestle, professora da Universidade de York, este tipo de pesquisa tem um único objetivo: colocar dúvida nos achados da ciência que associam o consumo excessivo de açúcar ao aparecimento de doenças.

refrigerantes

Fonte da imagem: http://www.philly.com

2.       O próximo assunto trata da rotulagem de alimentos. Consumidores estão cada vez mais preocupados e querem saber o que estão consumindo – com razão! E o foco está na rotulagem de alimentos geneticamente modificados e na segurança do seu consumo. Vermont, nos EUA, é um dos Estados que entrou, no ano passado, com um projeto de lei quanto a rotulagem destes produtos – o qual deve impulsionar ainda mais Estados e países a fazer o mesmo.

3.       Sustentabilidade: este é o terceiro ponto a ser bastante discutido esse ano. Além de conhecer o que está sendo consumido, haverá debate em torno de como ocorre a produção. Quanto de água foi preciso? E qual foi o real desperdício na produção do alimento? As pessoas estão se conscientizando quanto ao desperdício de alimentos, e estão procurando meios para reduzi-lo!

4.       O crescimento de tecnologias e estudos que trabalhem a sustentabilidade da produção de alimentos também é uma tendência em 2017. Os principais objetivos são a redução do uso de carbono e a proteção dos animais, visando produtos de qualidade e minimizando o impacto ambiental.

5.       A última tendência de discussões: Com a entrada do novo presidente americano, Donald Trump, que já não se mostrou um fã da Agencia de Proteção Ambiental e dos esforços das Nações Unidas em reduzir o aquecimento global, fica a dúvida se vamos ter tantos avanços como esperamos.

Todos estes pontos geram grande preocupação, e você? O que está fazendo para responder à estas tendências?

Por Sarah Warkentin