Fortificação das Farinhas no Brasil – Intervenção de Saúde Pública

Fortificação das farinhashttp://www.anvisa.gov.br/alimentos/folder_farinha.pdf

No dia 10 de novembro foi comemorado o dia do trigo!

               E porque lembrar com destaque e importância deste cereal? Por que o brasileiro incorporou o consumo de trigo diariamente na sua rotina!

               A partir do trigo em forma de farinha, é feito o pão, macarrão, biscoitos, bolachas, bolos, e tantos outros alimentos. De acordo com o IBGE o brasileiro consome, em média, 60 kg de trigo ao ano.

           Se o brasileiro come alimentos derivados do trigo, então faz sentido utilizá-lo para suplementar a população com vitaminas e minerais que supram alguma deficiência. Assim foi elaborada a Resolução RDC 344, de 13 de dezembro de 2002.

          Com um cenário de alta prevalência de anemia ferropriva, principalmente em crianças e gestantes, e aumento no número de casos de defeitos de anemia megaloblástica e defeito no tubo neural (ou espinha bífida), em 2002 a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) emitiu uma resolução determinando a adição obrigatória de 4,2 mg de ferro e de 150 mcg de ácido fólico nas farinhas de trigo e milho (a cada 100g), em vigor desde 2004.

            A adição desses micronutrientes não alteram as características organolépticas do alimento (cheiro, sabor, textura), é de fácil implementação, baixo custo e a tecnologia disponível no país.

              Todas as farinhas de milho e trigo produzidas no Brasil ou importadas devem ser fortificadas segundo a resolução da ANVISA, exceto a farinha de biju ou obtida por maceração, flocão, farinha de trigo integral e farinha de trigo durum, devido a limitação no processamento tecnológico. Os produtos ultraprocessados importados que utilizam farinhas de trigo e de milho em sua formulação também não precisam obedecer a resolução para comercialização no Brasil.

                Os rótulos dos alimentos que contenham farinha de trigo e milho na sua composição devem conter uma das seguintes frases:

- Fortificado (a) com ferro e ácido fólico

- Enriquecido (a) com ferro e ácido fólico

- Rico (a) em ferro e ácido fólico

            Com o objetivo de monitorar as ações de Fortificação das farinhas de trigo e milho, o Ministério da Saúde instituiu a Comissão Interinstitucional para Implementação, Acompanhamento e Monitoramento das Ações de Fortificação de Farinhas de Trigo, de Milho e de seus Subprodutos, uma vez que é importante o cumprimento total da resolução da ANVISA, principalmente das quantidades estabelecidas para a fortificação.

                 Entende-se que esta medida foi uma iniciativa de suma relevância para a saúde pública, buscando diminuir a prevalência de anemia falciforme e doenças do tubo neural. Deve-se lembrar também que os carboidratos são alimentos energéticos, que precisam estar presentes na nossa dieta habitual, no entanto, obedecendo as recomendações do guia alimentar de evitar a ingestão de alimentos ultraprocessados em excesso, além da importância de buscar uma alimentação variada e saudável, com proteínas, frutas, verduras e legumes.

 

Ianna Lôbo

Referências:

http://www.anvisa.gov.br/alimentos/farinha.htm

http://www.anvisa.gov.br/alimentos/folder_farinha.pdf

http://dab.saude.gov.br/portaldab/ape_pcan.php?conteudo=fortificacao_farinhas

Resolução - RDC nº 344, de 13 de dezembro de 2002 - http://189.28.128.100/dab/docs/portaldab/documentos/resolucao_rdc344_2002.pdf

Manual de fortificação da farinha de trigo com ferro - http://189.28.128.100/dab/docs/portaldab/documentos/manual_fortificacao.pdf

http://abimapi.com.br/noticias-detalhe.php?i=MTE3Ng==