Terapia Ocupacional no envelhecimento

Como sempre destacamos no Portal Estilo de Vida Saudável, cuidar de idosos é uma atividade que requer atenção de diversas áreas do conhecimento entre elas a nutrição, a enfermagem, a fisioterapia, a psicologia, o serviço social e a terapia ocupacional. A terapia ocupacional é uma das mais novas entre essas profissões citadas.

Fonte da imagem

 Esta uma profissão da área da saúde que promove a prevenção, o tratamento e a reabilitação de indivíduos com alterações cognitivas, afetivas, perceptivas e psicomotoras. Assim o terapeuta ocupacional tem por objetivo avaliar e buscar reestabelecer tais perdas, reajustando o indivíduo ao meio social em que ele vive.

No envelhecimento uma série de mudanças pode tornar o idoso menos participativo nas atividades do dia a dia. Portanto, reintegrar ativamente o idoso à vida que o cerca é o objetivo central da Terapia Ocupacional, trazendo novas possibilidades de vivência à rotina do idoso.

A maior parte das doenças que ocorrem durante o envelhecimento, como Acidentes Vasculares Cerebrais (AVC), doença de Parkinson, doença de Alzheimer, diversos tipos de demências, doenças reumáticas e sequelas decorrentes de doenças crônico-degenerativas como o diabetes e neoplasias, apresentam grandes ganhos quando o idoso é acompanhado pelo terapeuta ocupacional.

O acompanhamento terapêutico busca o restabelecimento o funcionamento máximo do corpo de cada indivíduo, compreendendo a singularidade de cada caso. Por meio da manutenção das funções corporais, melhora das funções dos músculos e articulações, com o objetivo de promover independência física, principalmente, em atividades da vida diária. Para tanto, o terapeuta ocupacional idealiza e adapta os equipamentos auxiliares para o idoso, como por exemplo, o uso de próteses auditivas, amplificadores de som, talheres ou utensílios de cozinha, utensílios que auxiliam na vestimenta e também em atividades de lazer. Contribuindo para a manutenção destas atividades.

 

Autoria: Claudia Sales e Mariany Abreu