Higiene oral na terceira idade

Saúde bucal idoso

Fonte:http://guardioesdevidas.com/saude-da-boca-em-idosos/

Ser edêntulo (não ter dentes) ao chegar da terceira idade, é, ainda hoje, normal aos olhos da sociedade. Entretanto, sabe-se que esta característica é reflexo da falta de prevenção e cuidado com a saúde bucal durante a vida adulta.  Como consequência dessa condição alguns idosos podem apresentar dificuldade de mastigação levando a quadros de diminuição do apetite e emagrecimento, alteração da fala e redução da autoestima e da integração social.

A falta de conhecimento sobre a necessidade de realização da higiene oral bem como a forma de se realizar esta limpeza são as principais causas da inadequação dos cuidados relacionados à saúde bucal entre idosos. É importante ressaltar que a ausência total ou parcial de dentes não significa que a limpeza e higienização da boca não seja mais necessária, uma vez que pode haver acúmulo de alimentos nos espaços entre gengiva e bochecha e também sobre a língua. 

A  higienização oral deve ser realizada diariamente tanto em idosos com dentição própria quanto naqueles que possuem prótese dentária. Um profissional da saúde ou os próprios familiares podem avaliar a habilidade motora do idoso ao desenvolver esta atividade. Quando o mesmo conseguir desenvolver estas ações de maneira eficaz, deve-se auxiliar o mínimo possível, promovendo assim a autonomia do indivíduo. Entretanto, nos casos de maior dependência, esta deve ser uma atividade integrada à rotina de higiene corporal realizada pelo responsável do idoso. 

À seguir, leia informações de como as regiões da boca devem ser higienizadas:  

Dentes: deve-se escovar todas as superfícies dos dentes alcançadas pela escova, para a remoção efetiva da placa bacteriana. O uso do fio dental, fita dental ou escovas interdentais auxiliam na limpeza das áreas que a escova não alcança.

Mucosas: passar gentilmente gaze embebida em solução própria pelas regiões das bochechas, gengivas, céu da boca, lábios e língua. 

Língua: feita com gaze embebida em solução própria, ou durante a escovação, ou utilizando raspadores de língua, com atenção para não causar náuseas.

Produtos: podem ser utilizados clorexidina ou flúor, ambos sob a forma de gel. Ou também o creme dental, somente se a formação de espuma não cause desconforto ao idoso. 

 Da mesma maneira que a falta de dentes acarreta uma série de alterações na qualidade de vida do idoso, a higienização inadequada ou não realização da mesma, pode levar a sérias complicações de saúde. Podemos enumerar algumas, como, alteração do paladar e diminuição da ingestão (já reduzida pelo avançar da idade) e alteração das bactérias presentes na cavidade oral, com crescimento de bactérias patogênicas (causadoras de doenças). Pesquisas têm demonstrado que a má condição de saúde bucal, principalmente as doenças periodontais (da gengiva e osso que suporta os dentes), pode aumentar as chances de doenças como pneumonia, cardiopatias e diabetes, bem como agrava o estado de saúde geral da pessoa idosa.

Os anos passam mas os cuidados com a boca e os dentes devem ficar, previna-se!

Por Claudia Sales e Mariany Abreu 

Referências:

Gostinho, ACMG; Campos, ML; Silveira, JLGC. Edentulismo, uso de prótese e autopercepção de saúde bucal entre idosos. Rev. odontol. UNESP. 2015;  v. 44, n. 2, p. 74-79.

Moreira, RS et al. Saúde Bucal dos Idosos. In: Tratado de Geriatria e Gerontologia. Freitas, E.V.; Py, L.; Neri, A. L.; Cançado, F. A. X.C.; Gorzoni, M.L.; Doll, J. 3ª. Edição. Grupo Editorial Nacional (GEN), 2011. 

Colussi, CF; Freitas, SFT. Aspectos epidemiológicos da saúde bucal do idoso no Brasil. Cad. Saúde Pública.  Rio de Janeiro. 2002;  v. 18, n. 5, p. 1313-1320.   

Mello, ALSF; Erdmann, AL; Montoya, JAG. Melhores Práticas no Cuidado à Saúde Bucal de Pessoas Idosas. Florianópolis; 2010.