Disfagia e qualidade de vida

Disfagia em idosos

Segundo o Consenso Brasileiro de Nutrição e Disfagia em Idosos Hospitalizados (2008), “disfagia é qualquer dificuldade na efetiva condução do alimento da boca até o estômago”, ou seja, corresponde à dificuldade de coordenar os movimentos de mastigação, deglutição e respiração podendo impactar negativamente na saúde e qualidade de vida.

Diversas doenças podem levar ao desenvolvimento da disfagia, entre elas nos idosos, destacam-se: acidente vascular cerebral (AVC), doença de Parkinson e doenças neurodegenerativas. Alguns sintomas frequentemente observados são refluxo nasal, tosse, engasgo durante as refeições, entrada do alimento e ou secreções na via aérea com consequente broncop­neumonia aspirativa.

Outros dois sintomas consequentes a esta alteração são a desnutrição e a desidratação. Em muitos casos, na tentativa de se adaptarem aos sintomas, ocorrem restrições alimentares, com mudanças na consistência e volume dos alimentos, o que resultam em inadequações nutricionais. Habitualmente, observa-se idosos que acrescentam maior quantidade de água aos alimentos, com intuito de facilitar a deglutição, entretanto ao fazerem isso acabam reduzindo a quantidade total de calorias da preparação, o que a longo prazo pode levar à desnutrição. 

É importante salientar, que a disfagia também afeta a qualidade de vida, a medida que são necessárias diversas adaptações para realizar uma alimentação segura e eficaz. Pontes et al. (2016), em um estudo que objetivou avaliar a qualidade de vida em idosos com disfagia após AVC, observaram que o aumento do tempo de alimentação foi o principal fator que contribui para percepção negativa da qualidade de vida nestes idosos. Outros comportamentos que também são observados e impactam negativamente na qualidade de vida são: constrangimento, frustração, desânimo e isolamento social, com tendência a realizar as refeições sozinhos.

O tratamento da disfagia deve priorizar a avaliação precoce para minimizar ou até mesmo evitar complicações. Deve-se optar por um atendimento interdisciplinar com médicos, fonoaudiólogos, nutricionistas e enfermeiros, com cada profissional contribuindo para a melhora do paciente.

Por Raoana Chaves

Bibliografia:

Pontes ES et al. Quality of life in swallowing of the elderly patients affected by stroke.  Arq Gastroenterol. 2017;54(1): 27-32.

Gonçalves BFT, Bastilha GR, Costa CC, Mancopes R. Utilização de Protocolos de Qualidade de Vida em Disfagia: Revisão de Literatura. Rev. CEFAC. 2015;17(4):1333-1340.

I Consenso Brasileiro de Nutrição e Disfagia em Idosos Hospitalizados. Barueri, SP : Minha Editora, 2011.