Brasil participa da cúpula da ONU sobre doenças não transmissíveis

As doenças crônicas não transmissíveis são as principais causas de óbito e incapacidade, sendo a causa de mais de 3.9 milhões de óbitos anuais, ou 75% do total de óbitos nas Américas.

Na Reunião de Alto Nível da Assembleia Geral sobre Doenças Não-Transmissíveis foi firmado o compromisso de definir metas globais para a vigilância dessas doenças e seus fatores de risco como tabagismo, dieta não saudável, inatividade física e uso nocivo do álcool.

A presidente brasileira, Dilma Rousseff, afirmou que o Brasil defende o acesso aos medicamentos como parte do direito humano à saúde. Destaca também a reformulação dos espaços urbanos nas grandes cidades brasileiras, e o programa Academia da Saúde que prevê a criação de 4 mil novos espaços para atividade física orientada.

Outras iniciativas são medidas para garantir alimentação mais adequada com incentivo ao aleitamento materno, à rotulagem dos alimentos, ao Programa de Alimentação nas Escolas [Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE)], além de acordos voluntários com a indústria de alimentos para a eliminação das gorduras trans e para a redução do sódio.

Ressalta que para efetividade das ações é imprescindível integração entre as políticas de saúde e medidas socioeconômicas.

Devido à importância do tema, o Brasil e a Organização Mundial de Saúde (OMS) promoverão a Conferência Mundial de Saúde nos dias 19 e 21 de outubro de 2011, no Rio de Janeiro.

Para maiores informações sobre a Reunião de Alto Nível da Assembleia Geral sobre Doenças Não-Transmissíveis acesse: http://new.paho.org/bra/index.php?option=com_content&task=view&id=2430&Itemid=1

Por Adriana Nagahashi e Fernanda Seyr Pozza