Resultados do Vigitel 2014: a estabilização da obesidade, o aumento da atividade física e do consumo de frutas e hortaliças entre os brasileiros

Com o objetivo de subsidiar ações de promoção à saúde e prevenção de doenças por meio de informações de fatores de risco e proteção para doenças crônicas não transmissíveis, a pesquisa Vigitel (Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico) vem sendo realizada anualmente desde 2006, pelo Ministério da Saúde. O Vigitel 2014 entrevistou quase 41 mil pessoas com mais de 18 anos, residentes de todas as capitais brasileiras e do Distrito Federal, entre fevereiro e dezembro de 2014.

Segundo Deborah Malta, diretora do VigitelDepartamento de Vigilância de Doenças e Agravos Não Transmissíveis e Promoção da Saúde do Ministério da Saúde, “o Brasil tem feito algo inédito no mundo, que é manter esse sistema de monitoramento durante tantos anos. Nós sabemos que a obesidade e o excesso de peso são problemas generalizados no mundo e por essa razão o Vigitel é importante para subsidiar as ações de promoção da saúde e prevenção de doenças”.

Os resultados referentes ao estado nutricional revelaram que, apesar de os níveis de obesidade estarem estáveis (17,9%), o excesso de peso atinge mais da metade da população brasileira adulta (52,5%), enquanto que em 2006 a prevalência era de 43%. As pessoas sobrepeso se caracterizam por serem do sexo masculino (56,5%), terem entre 45 e 64 anos (61,7%) e apresentarem menores níveis de escolaridade (58,9%).

É sabido que o excesso de peso e a obesidade são fatores de risco para o desenvolvimento de doenças crônicas como a hipertensão, o diabetes, doenças cardiovasculares e câncer. Em relação à prevalência de hipercolesterolemia, destacam-se altos índices entre as mulheres (22,2%) e pessoas entre 55 e 64 anos (35,5%), fato preocupante, uma vez que as doenças crônicas são responsáveis por 72% dos óbitos no país.

Por outro lado, os fatores preventivos do excesso de peso e da obesidade estão melhorando, como a realização rotineira de atividade física. Nos últimos 6 anos, o Vigitel apontou um aumento significativo de 18% nos níveis de atividade física entre os brasileiros, com destaque para os homens (42%) e pessoas com mais anos de escolaridade (47,8%). Entretanto, o fato de assistir à televisão excessivamente ainda é um fato alarmante, com 25% de prevalência, apesar da queda de 19,3% de 2006 para 2014.

A dieta dos brasileiros apresenta mais frutas e hortaliças, como marcadores da melhoria da alimentação, principalmente entre as mulheres (42,5% de consumo regular). O feijão ainda se configura como um dos principais alimentos no prato do brasileiro, estando presente na dieta de 66,1% da população. Por outro lado, 15,6% e 18,8% das pessoas relataram consumir sal em excesso e substituir o almoço e/ou jantar por lanches, respectivamente.

Como forma de enfrentamento do excesso de peso e das doenças crônicas a ele associadas, o Ministério da Saúde vem lançando mão de ações como as Academias da Saúde, o Programa Saúde na Escola, o lançamento do Guia Alimentar e do Guia de Alimentos Regionais, entre tantas outras já discutidas neste Portal. Destaca-se a recém-lançada Campanha de Promoção da Saúde que incentiva a adoção de hábitos saudáveis por meio de 8 eixos: incentivo à alimentação saudável, enfrentamento ao uso abusivo do álcool, incentivo à atividade física, controle do tabagismo, incentivo à segurança no trânsito, incentivo à cultura da paz, incentivo ao ambiente saudável, e incentivo ao parto normal. Esperamos por mais resultados positivos em 2015!

 

Por Laís Amaral Mais

Link para a notícia:

 

http://portalsaude.saude.gov.br/images/pdf/2015/abril/15/PPT-Vigitel-2014-.pdf