Estilo de Vida Saudável na Infância

Crianças e vida saudável

Nos últimos anos, vêm crescendo mundialmente o número de crianças com excesso de peso. Modificações nos hábitos alimentares, caracterizado pelo consumo excessivo de alimentos industrializados e obesogênicos, associadas a drástica redução do gasto energético, explicam esta proporção epidêmica da obesidade que atualmente se observa.

Obesidade

Diante deste fato, os profissionais da área de saúde têm se preocupado com o estudo da atividade física e promoção do estilo de vida saudável desde a infância. As pesquisas mostram resultados conclusivos que evidenciam a atividade física como fator de proteção da saúde e prevenção das doenças crônicas não-transmissíveis.

O Centro de Controle e Prevenção de Doenças, dos Estados Unidos (CDC) e o Colégio Americano de Medicina Esportiva (ACMS) recomendam 30 minutos de atividade física de intensidade moderada, de maneira contínua ou acumulada, na maior parte dos dias da semana para indivíduos adultos. No entanto, ainda não existem, até o presente momento, recomendações oficiais estabelecidas para crianças.

Na infância, o estímulo à adoção de um estilo de vida saudável deve ser de forma lúdica, voluntária e não competitiva, envolvendo atividades de lazer típicas da idade como pular corda, brincar, andar de bicicleta, de patins, correr no parque, nadar, entre outras, visto que é um período marcado por intenso crescimento e desenvolvimento.

O grande problema é que as atividades de lazer tornaram-se passivas. As crianças substituíram as brincadeiras de bola, corda, pipa, por atividades predominantemente sedentárias, influenciadas pela tecnologia que disponibiliza no mercado uma gama de eletrônicos, que despertam o interesse maciço entre as crianças de todas as idades e classes sociais.

Outro aspecto a ser citado é a violência, sobretudo das grandes cidades, que não permitem aos pais segurança para permitir que seus filhos brinquem fora de casa e, os muros altos que circundam os prédios, não dispõem de espaço suficiente para as brincadeiras ativas.

Além dos benefícios à saúde, a prática dessas atividades permite a socialização, oferecem oportunidades de lazer e desenvolvimento de aptidões que levam à melhor auto-estima e confiança.

Uma alternativa viável para o estímulo à prática de atividade física em todas as faixas etárias, sobretudo crianças, seria a criação e manutenção de parques de diversão, centros desportivos, praças esportivas, pistas de caminhada e ciclovias, por parte do poder público.

Dessa maneira, pode-se conter o avanço do sedentarismo, conseqüente do desvirtuamento dos confortos oferecidos pelo intenso progresso tecnológico em que vivemos, o qual “prende” as crianças por horas na televisão, no computador e no videogame.

Por Maysa Helena Toloni

Mais informações, acesse: http://www.agitasp.org.br