Estudo questiona o uso da Margarina: É a melhor escolha?

Um recente estudo feito pela nutricionista Ana Carolina Gagliardi, do InCor (Instituto do Coração) em São Paulo, foi o primeiro no Brasil a estudar os possíveis efeitos da manteiga e da margarina na piora do risco de doenças cardiovasculares.

Margarina

O objetivo do estudo foi investigar o efeito da suplementação de diferentes lípides dietéticos e seus efeitos sobre o perfil lipídico (Colesterol total, colesterol bom (HDL), Colesterol ruim (LDL), Triglicerídeos (TG)) em pacientes com síndrome metabólica (obesidade abdominal + hipertensão + baixos níveis de HDL e altos de colesterol e glicose sanguínea). Os 66 voluntários foram divididos em 4 grupos com intervenções diferentes: um grupo recebeu 15g de manteiga por dia, o segundo grupo recebeu 18g de margarina com gordura trans (http://www.saude.br/gorduratrans.htm), o terceiro grupo recebeu 30g de margarina com fitoesteróis e o último 36g de margarina sem gordura trans. Os fitoesteróis são substâncias semelhantes ao colesterol de origem vegetal. São pouco absorvidas pelo intestino e competem com o colesterol, auxiliando na redução da sua absorção. As quantidades de margarina/manteiga continham 12g de gordura. Os voluntários ingeriram a manteiga/margarina por 28 dias consecutivos.

Após os 35 dias de estudos, o resultado foi uma surpresa: diferentemente do que sempre foi dito, nenhum dos produtos, sendo consumido de maneira moderada, piora o risco de doenças cardiovasculares. O peso dos voluntários permaneceu inalterado, assim como o seu IMC (Índice de Massa Corpórea) e a relação entre colesterol total, LDL, HDL e TG também não teve grandes diferenças. O único grupo que mostrou melhores resultados foi o que consumiu a margarina com fitoesteróis, pois houve redução nos níveis de LDL colesterol no sangue dos voluntários.

Resta saber agora se este efeito é igual em indivíduos sem síndrome metabólica.

A manteiga ainda é vista como uma grande vilã na alimentação da população, fazendo com que o consumidor prefira a margarina por ser de origem vegetal. Porém, em muitos casos, o consumidor, achando que a margarina é a opção mais saudável, tende a consumir quantidades excessivas, levando a uma obesidade. Escolhas inteligentes são importantes, mas para se ter um estilo de vida saudável, é necessário alimentar-se em quantidades moderadas.

Por Sarah Warkentin

O estudo pode ser lido na íntegra em: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/5/5131/tde-19032010-112343/