26 de Abril – Dia Mundial da Hipertensão

No dia 26 de Abril é lembrada a importância da atenção à saúde voltada à prevenção da Hipertensão arterial sistêmica, doença crônica não-transmissível mais relatada (14%) pelos participantes do PNAD de 2008¹. A principal ação na prevenção e no tratamento da doença é a redução da quantidade de sal na preparação e na adição (através do saleiro de mesa) aos alimentos. No organismo, o sal tende à reter líquidos, o que eleva a pressão e pode levar a complicações, como a doença cardiovascular, doença arterial coronariana, insuficiência cardíaca, insuficiência renal crônica e doença vascular de extremidades. Segundo as Diretrizes Brasileiras de Hipertensão, 27,4% dos óbitos no Brasil, em 2003, foram causados por doenças cardiovasculares (Hipertensão definida como valores acima de 140mmHg). 
Os fatores de risco para a Hipertensão são a Obesidade, a Idade, Álcool, Sedentarismo, Sexo, Etnia, Fatores Socioeconômicos e a Alimentação rica em sal. 
No tratamento da Hipertensão, é necessário mudança no estilo de vida, como Controle do Peso através de prática regular de atividade física e mudança nos Padrões Alimentares. 
Preconiza-se também a adoção da Dieta DASH (Dietary Approachs to Stop Hypertension), que enfatiza o consumo de frutas (4-5 porções), hortaliças (4-5 porções), alimentos integrais, leite desnatado e substitutos (2-3 porções), quantidade reduzida de gordura saturada e colesterol, maior quantidade de fibras, potássio, cálcio e magnésio. A dieta, associada com a redução do uso do sal, evidencia melhora nos níveis pressóricos de indivíduos hipertensos. 
A ingestão máxima recomendada de sal por dia/ por pessoa era de 2 gramas, passando agora para 6 gramas diárias, correspondendo à 4 colheres de café rasas (cada uma contendo 2g de sal) adicionadas aos alimentos. O brasileiro, de acordo com a Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF) (2002/2003), ingere 4,5 gramas por dia, excedendo em mais de duas vezes o recomendado naquela época (2g/dia). O sal de adição foi o principal fator que elevou o consumo no dia, principalmente aquele que é adicionado à água de cocção e ao alimento pronto. 
No dia 26 de Abril, o Ministério da Saúde publicou uma notícia afirmando que 24,4% dos brasileiros sofriam de Hipertensão. A pesquisa foi realizada com 54 mil adultos entre 2006 e 2009 e o maior percentual de hipertensos ficou entre os idosos (63,2%). 
Uma alternativa para a redução do sal de adição é a utilização de limão, alho, cebola, ervas, cebolinha, manjericão, entre outros alimentos como temperos. Outros alimentos ricos em sódio também devem ser evitados: temperos industrializados, molhos prontos, embutidos, frios, conservas, enlatados, congelados, salgados e defumados. 
A frequente monitorização da pressão arterial é indicada, para que se possa avaliar o risco para a Hipertensão e se possa o quanto antes, preveni-la e tratá-la. Ao se adotar um Estilo de Vida mais saudável, fazendo escolhas conscientes na sua alimentação, as doenças crônicas não-transmissíveis, como a Hipertensão, pode diminuir de força e ser cada vez mais rara entre a população. Este dia é importante, pois mostra a gravidade da situação atual e ensina que para melhorar a saúde é necessário a adoção de novas práticas na cozinha, desde a preparação até o consumo dos alimentos. 
A Sociedade de Cardiologia do Estado do Rio Grande do Sul (SOCERGS) promove no dia da Hipertensão uma ação comunitária pelo Dia Nacional de Combate à Hipertensão Arterial nas dependências do Lindóia Shopping, a partir das 14 horas (Av. Assis Brasil, 3522, bairro Jardim Lindóia). Outro evento ocorre na Prefeitura de Mesquita, às 10 horas, na Praça Elisabeth Paixão, em Santos. 

Referências:

¹ http://www.saude.br/pnad.htm

² http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/v_diretrizes_brasileira_hipertensao_arterial_2006.pdf 

³ http://portal.saude.gov.br/portal/aplicacoes/noticias/default.cfm?pg=dspDetalheNoticia&id_area=124&CO_NOTICIA=11290 

Leia mais em: http://www.scielo.br/pdf/rsp/v43n2/230.pdf

Por Sarah Warkentin