Aumenta o consumo de frutas e hortaliças na população brasileira, contudo a mesma permanece sedentária

Sedentarismo

De acordo com estudo realizado pelo Ministério da Saúde de janeiro a dezembro de 2009 com 54.367 entrevistados, a população brasileira está consumindo mais frutas, legumes e verduras. No entanto, a ingestão de refrigerantes, alimentos ricos em gordura e o sedentarismo também aumentaram.

Segundo a pesquisa, 18,6 % da população está consumindo cinco ou mais porções diárias de hortaliças e frutas (2,6 vezes mais do que três anos atrás). Entre a população na faixa etária maior de 18 anos, 30,4% das pessoas consome esse tipo de alimento cinco ou mais vezes na semana e 18,9% mais de cinco porções por dia, o que equivale aos 400g recomendados pela Organização Mundial de Saúde. Outro ponto positivo revelado foi a diminuição do consumo de carne vermelha excessivamente gordurosa e de pele de frango.

Para Deborah Malta, uma das pesquisadoras responsáveis pelo estudo, os resultados mostram o reflexo do impacto das mudanças no padrão alimentar do brasileiro em relação à tendência mundial de maior consumo de alimentos com alto teor de gordura concomitante com uma parte da população que está se conscientizando mais com relação às questões referentes à alimentação saudável. Outros aspectos a serem lembrados é que a população está deixando de almoçar em casa ou de preparar seu alimento, substituindo-o por produtos mais práticos como enlatados, pré-cozidos e fast foods. A pesquisadora acredita que as políticas de incentivo a hábitos saudáveis tenham colaborado para o crescimento do número de pessoas que buscam se alimentar de forma adequada.

Os refrigerantes e sucos artificiais estão presentes pelo menos uma vez por semana na dieta de 76% dos adultos brasileiros. O consumo regular (quase todo dia) aumentou 13,4% em um ano. No ano de 2008 o índice de consumo de cinco ou mais vezes na semana deste tipo de bebida era de 24,6%. Entre jovens de 18 a 24 anos 42,1% bebem refrigerantes quase todos os dias.

O feijão, alimento importante da culinária brasileira, rico em fibra e ferro, tem deixado de participar das refeições do brasileiro. Em 2009, fez parte do cardápio de 65,8% dos adultos cinco ou mais vezes na semana enquanto em 2006 esse número era de 71,9%, o que representa uma queda de 8,4% em três anos. Débora Malta explica que a razão pode ser devido ao tempo demorado de preparo do grão e a vida mais corrida das pessoas.

O sedentarismo também foi incluído na pesquisa e os valores encontrados demonstram o aumento do número de adultos sedentários no país, 16,4% da população é sedentária, em contraste com o ano de 2006 com 13,2% de indivíduos nesta condição. Somente 14,7% realizam atividades físicas com a regularidade necessária para um estilo de vida saudável (30 minutos diários, 5 vezes por semana em horário livre). O índice sobe para 30,8% quando considerado os que se deslocam para o trabalho ou para a escola a pé ou de bicicleta.

A televisão é assistida durante 3 ou mais horas cinco ou mais vezes por semana por 25,08% dos adultos representando a preferência do lazer passivo à pratica de esportes ou outras formas de atividade física.

É de fundamental importância a ampliação das ações educativas na área de alimentação e saúde à população que estimulem alimentação saudável e prática regular de atividade física objetivando a promoção da saúde e prevenção das doenças crônicas não transmissíveis.

Por Kelly J. Viana.

Leia mais em: http://portal.saude.gov.br/portal/aplicacoes/noticias/default.cfm?pg=dspDetalheNoticia&id_area=124&CO_NOTICIA=11227