Ação dos países na redução da Obesidade na Américas

No ultimo dia 2 de Outubro de 2014, foram aprovadas e divulgadas pela PAHO/WHO uma serie de ações com objetivo de combater a obesidade infantil, que já atingiu “proporções epidêmicas” no hemisfério ocidental, com proporções de 20—25% de crianças latino-americanas com excesso de peso ou obesas. Já nos Estados Unidos, 1/3 das crianças e adolescentes, de 6 a 19 anos, são consideradas sobrepeso ou obesas.  O “Plano de Ações para prevenção de obesidade em crianças e adolescentes” foi aprovado pelo 53º Conselho diretor da Organização Pan Americana de Saúde (OPAS) e traça quatro principais linhas de ação para ajudar os países a reduzir as taxas da doença:

1.       Promoção da amamentação: Promover o aleitamento materno, comprovadamente um fator protetor da obesidade futura, através de estratégias, como o credenciamento de “Hospitais Amigo da Criança” e através do “Código Internacional de Comercialização de Substitutos do Leite materno”.

2.       Melhoria na alimentação servida e na pratica de atividade física nas escolas: As escolas devem restringir o consumo de alimentos com alta densidade calórica e devem estimular a adoção de uma alimentação mais saudável, além da promoção da atividade física no período escolar (mínimo de 30 minutos ao dia).

3.       Impostos sobre junk food e restrição da comercialização: Aumentar os impostos dos alimentos considerados não saudáveis pode reduzir o seu consumo, além da restrição da publicidade de alimentos industrializados para crianças. Este eixo ainda visa melhorar o entendimento da população das embalagens de alimentos.

4.       Melhor acesso a espaços de lazer e a alimentos nutritivos: Iniciativa das ciclovias aos domingos, as quais abrem ruas da cidade para o uso em recreação com bicicletas, além do suporte aos pequenos e médios agricultores no aumento da disponibilidade de alimentos frescos.


Ao aprovar este plano de ação, os ministros da saúde instaram a OPAS a apoiar os esforços dos países para implementar o plano, fornecendo:

  • Evidências para informar o desenvolvimento de novas políticas e regulamentos; 
  • Diretrizes para programas de refeições para pré-escolares e escolares;
  • Diretrizes para alimentos e bebidas vendidas nas escolas;
  • Apoio para medir as mudanças nas taxas de sobrepeso e obesidade nos países.

Ambientes alimentares são um dos principais impulsionadores da epidemia de obesidade e devem ser abordadas com urgência, se quisermos reverter a epidemia. O conjunto de políticas neste Plano de Ação, incluindo abordagens fiscais, restrições à comercialização para crianças, rotulagem frente da embalagem , alimentação escolar e diretrizes de atividade física e educação, são de grande importância.

 obesidade america

Leia também a matéria publicada neste Portal sobre a Estratégia intersetorial de prevenção do sobrepeso e obesidade!

Escrito por: Sarah Warkentin

Fonte: Paho.org