Qualidade de vida e Terceira Idade: uma parceria possível

“Há duas épocas na vida, infância e velhice, em que a felicidade está numa caixa de bombons.” 
Carlos Drummond de Andrade 

doencas cronicas nao transmissiveis

A população mundial está envelhecendo e esse fenômeno já é um fato. Segundo projeções demográficas, a população idosa brasileira chegará ao ano de 2020 com mais de 26,3 milhões, representando quase 12,9% da população total. Ou seja, o índice de sobrevida e longevidade está aumentando a ponto das políticas públicas dos países em desenvolvimento não conseguirem acompanhar esse crescimento oferecendo condições ideais para que essa parcela da população tenha uma melhor qualidade de vida. No Brasil, ainda são tímidas as iniciativas relacionadas ao bem-estar da população idosa. Lentamente surgem centros de convivência, clubes, paróquias, sesc, universidades abertas da terceira idade que prestam serviços voltados a essa população.

Apesar do conceito de qualidade de vida ter um extenso campo de variabilidade entre os grupos populacionais, a promoção de uma boa saúde física, mental e emocional deve ser sempre incentivada, pois sabe-se que com o avançar da idade, os problemas de saúde em geral tendem a aumentar. Isso se dá muitas vezes pela diminuição do envolvimento com atividades físicas vigorosas e moderadas ao longo dos anos que acaba por aumentar as chances de desenvolvimento das doenças crônicas não-transmissíveis (DCNT), como a hipertensão, diabetes tipo 2, doenças coronarianas, acidente vascular cerebral, osteoartrite, problemas respiratórios e desvios posturais.

No período de dependência, uma intervenção apropriada pode minimizar a sobrecarga sobre a família e o sistema de saúde. Portanto, como na maioria das vezes é pouco provável reverter o quadro clínico, ou seja, eliminar as doenças, a abordagem da capacidade funcional se torna essencial para a promoção de saúde e do bem estar aumentando, assim, a qualidade de vida do idoso.

Frente a esse quadro, é necessário alertar essa população sobre as medidas preventivas para se alcançar um envelhecimento ativo e saudável. O que tem se observado é a chamada prevenção secundária, ou seja, a procura por serviços de saúde especializados tem ocorrido mais comumente a partir do primeiro episódio de uma determinada doença.

Por isso a importância da prevenção, cujas ações se dão através de uma série de cuidados, mas principalmente relacionados à dieta e a prática de atividades físicas que sejam compatíveis com suas condições gerais.

Para garantir uma melhora na qualidade de vida da população idosa é preciso conhecer as condições de vida, de saúde, econômicas e de suporte social dos idosos, para que se possa estar preparado para atender às demandas sociais, sanitárias, econômicas e afetivas dessa parcela da população, que, atualmente, é a que mais cresce mundialmente.

No processo de envelhecimento, devemos sempre nos perguntar “que velhice queremos contemplar?”.


Catherine DeneuveBrigitte Bardot

             Catherine Deneuve - 65 anos                                     Brigitte Bardot - 74 anos


                               Sophia Loren

                                                 Sophia Loren - 74 anos

Texto elaborado por Vanessa Haquim - Nutricionista