Queda na obesidade entre crianças americanas de 2 a 5 anos

obesidade infantil 

Um estudo americano revelou esta semana a queda, em 43%, na obesidade entre crianças de 2 a 5 anos de idade. No entanto, o problema ainda afeta 1/3 dos adultos e 17% das crianças a partir de cinco anos e adolescentes. O estudo nacional, que avaliou mais de 9 mil crianças, comparou a prevalência de 2003/2004 (que era de 14%) com a de 2011-2012 (8%). A população que apresentou mais evidentemente a melhora do estado nutricional são os de mais baixa renda e que participam de programas federais de nutrição. Estes achados são de extrema importância para a saúde publica, visto que crianças que apresentam excesso de peso entre 3 e 5 anos tem o risco aumentado em 5 vezes de ser sobrepeso ou obeso no futuro, além do aumento do risco de outras doenças.

 “Essa foi a primeira vez que registramos um declínio significante nessa faixa etária”, diz Cynthia L. Ogden, autora do estudo e pesquisadora do Centro de Controles e Prevenções de Doenças dos EUA.

O CDC (Center of Diseases Control) revela também a diminuição no consumo de bebidas açucaradas e aumento nas taxas de aleitamento materno entre os americanos. Já entre os adultos, os resultados ainda são alarmantes: em 2011-2012, cerca de 1/3 da população estava acima do peso, problema principalmente entre mulheres com 60 anos ou mais.

Uma forte iniciativa que ocorre, desde 2010, e que pode ter sido um dos incentivos a alimentação saudável entre as crianças, é o programa “Let’s Move” (http://www.letsmove.gov/), liderado pela primeira-dama Michelle Obama. O objetivo da iniciativa era conscientizar pais, educadores e crianças sobre a importância de comer alimentos saudáveis, incentivar a prática de exercícios, melhorar a qualidade das refeições servidas nas escolas e buscar meios de trazer comida saudável para a mesa dos mais pobres. Porem, o preço dos alimentos considerados mais saudáveis, segue sendo um desafio. Consumir verduras e frutas é especialmente caro nos EUA e muitas vezes as comidas processadas são a única a opção para famílias de baixa-renda. O programa, por exemplo, aconselha as pessoas a comprarem verduras e legumes que estejam em promoção e preparar e congelar comida para consumo posterior.

Texto por: Sarah Warkentin

Artigo na integra: http://jama.jamanetwork.com/article.aspx?articleid=1832542

Leia a matéria em: http://mobile.nytimes.com/2014/02/26/health/obesity-rate-for-young-children-plummets-43-in-a-decade.html?nl=todaysheadlines&emc=edit_th_20140226&_r=0&referrer=