Residir na zona rural tem contribuido para o aumento da obesidade mundial: achados de uma publicação

 

Publicado em maio deste ano (2019) na revista Nature, um recente estudo descreveu o aumento do peso da população em diversos países entre 1985 e 2017. Durante este período, a média do Índice de Massa Corporal (IMC) de mulheres passou de 22,6 Kg/m2 para 24,7Kg/m2 e de 22,2 Kg/m2 para 24,4 Kg/m2 entre homens. Em paralelo, notou-se também um aumento da taxa de urbanização na qual a população residente no meio urbano passou de 41% para 55%. Porém, o aumento de peso se deu principalmente no meio rural dos países pesquisados.

Os motivos apontados para o crescimento do excesso de peso no meio rural foi a mecanização das atividades agrícolas e o maior acesso à alimentos prontos para o consumo. Em outras palavras, a população rural diminuiu o gasto energético e aumentou o consumo de alimentos processados, forçado pela inserção da indústria de alimentos nessa região. Portanto, a “urbanização do meio rural”, como foi descrito por alguns autores, parece ter contribuído para o aumento de peso dessa população.

A diferença entre o meio urbano e rural reflete a desigualdade econômica e social presente principalmente em países industrializados e de alta renda. A população do meio rural tem menor escolaridade e renda, menor disponibilidade e maior preço em alimentos frescos e saudáveis, menor acesso e utilização à transportes públicos, além da limitada disponibilidade de instalações para a prática de atividade física.

 

Por Sarah Warkentin

Créditos da Imagem: https://media.nature.com/w800/magazine-assets/d41586-019-01182-x/d41586-019-01182-x_16698260.jpg