Você conhece os Parceiros da Copa do Mundo 2014?

A Copa do Mundo 2014, maior evento de futebol do planeta, conta com alguns parceiros comerciais, entre eles as indústrias de alimentos The Coca-Cola Company®, Garoto® e McDonald’s®.

A Copa do Mundo 2014, maior evento de futebol do planeta, conta com alguns parceiros comerciais, entre eles as indústrias de alimentos

A Coca-Cola® conta com uma gama de opções no seguimento de bebidas não alcoólicas, incluindo refrigerantes, néctares e refrescos, na categoria adulta e infantil, repositores hidroeletrolíticos, chás, energéticos e água. Dentre estas, a bebida mais popular da empresa é o refrigerante Coca-Cola®.

Diversos produtos com chocolate no formato de tabletes, barras sem recheio e recheadas, bombons, bastões e sorvetes são produzidos pela Garoto®. Neste ano, a aposta da empresa é uma linha de produtos com embalagens personalizadas para a Copa do Mundo 2014.

Já o McDonald’s® é uma das redes de fastfood mais conhecidas mundialmente e oferece diversas opções de hambúrgueres e sanduíches, batata frita, refrigerantes e sucos da marca Coca-Cola®,milk shakes e sorvetes. Desde 2005, a empresa oferece opções de saladas e maçã como sobremesa, como tentativa de tentar minimizar as críticas aos seus produtos ricos em gorduras, sal e açúcares. Na semana da Copa, a variedade de sanduíches aumenta e cada um representa um país participante do evento.

 A Copa do Mundo 2014, maior evento de futebol do planeta, conta com alguns parceiros comerciais, entre eles as indústrias de alimentos

Mas um evento esportivo, que conta com a presença de atletas do mundo inteiro, e que deveria ser promotor de hábitos de vida saudáveis, contando com a parceria de marcas de refrigerante, chocolate e fastfood? Este é um grande paradoxo que tem impacto direto na saúde da população.

Segundo uma pesquisa de opinião realizada pelo Instituto Brasileiro de Opinião Pública e Estatística (IBOPE), a maioria da população brasileira acompanha o futebol, mesmo que de vez em quando, e por meio de programas de notícias na TV aberta. A mesma pesquisa também avaliou a prática de atividade física e constatou o sedentarismo em 57% das pessoas. É notório que, em nosso país, por mais que as pessoas gostem de esportes, não há adesão a sua prática.

Dessa forma, é visível o grande impacto de um evento esportivo do nível da Copa do Mundo. A partir disso, há uma grande responsabilidade na escolha de parceiros e patrocinadores e é assim que surge a principal questão: Qual é o sentido da escolha de apoiadores e patrocinadores que trazem consigo a publicidade de alimentos que pode afetar a saúde de seus consumidores, contribuindo ainda mais para a obesidade mundial? O fato é que a publicidade divulga o incentivo ao esporte, a falsa ideia de saúde, bem estar e alimentação saudável, mascarando as verdadeiras intenções da marca, que são a divulgação e altos níveis de venda dos seus produtos.

O padrão de alimentação em diversos países, incluindo o Brasil, abrange o consumo exagerado e rotineiro de alimentos industrializados, como aqueles vendidos pelas marcas em questão, que, apesar da praticidade, oferecem grandes quantidades de sal, açúcares e gorduras, além de serem pobres em fibras, vitaminas e minerais. É o hábito alimentar inadequado associado a uma vida sedentária que propicia condições para o surgimento de doenças crônicas não transmissíveis (DCNT) em idades cada vez mais precoces.

O país não precisa de um evento que conta com o apoio, o destaque e o aumento da publicidade de alimentos que contribuem para o declínio da qualidade da saúde da população. É necessária a existência de um evento esportivo que estimule a prática de esportes e o consumo alimentar adequado, sem prejuízos à população. Um evento que esteja preocupado, em primeiro lugar, com a qualidade de vida das pessoas que torcem e vibram pelo seu país, e não com os seus milhões arrecadados.