A obesidade novamente em destaque: más notícias!

Em setembro de 2017, o Center for Disease Control and Prevention (CDC)  divulgou o relatório contendo prevalências de obesidade nos Estados Unidos entre os anos de 2015-2016. A obesidade, definida como Índice de Massa Corporal (IMC) ≥30kg/m2, está associada à pressão alta e diabetes tipo II, já evidentes em crianças e adolescentes. Se a condição persiste, doenças cardíacas e acidente vascular cerebral são comuns na vida adulta.

Veja abaixo os principais destaques do relatório:

· Em 2015–2016, a prevalência de obesidade era 39.8% em adultos e 18.5% em crianças e adolescentes.

· A prevalência de obesidade era maior entre adultos de meia idade (42.8%) quando comparados à adultos mais jovens (35.7%).

· A prevalência de obesidade era maior entre crianças com idades entre seis e 11 anos (18.4%) e adolescentes entre 12 e 19 anos (20.6%) quando comparados com crianças com idades entre 2 e 5 anos (13.9%).

· A tendência da prevalência de obesidade aumentou significantemente entre 1999-2000 e 2015-2016 (vide figura abaixo).

 Figura 1. Tendência da prevalência de obesidade entre adultos maiores de 20 anos e crianças e adolescentes com idades entre 2 e 19 anos: Estados Unidos, 1999-2000 a 2015-2016.

Fonte da Imagem

A obesidade não é uma doença com alta prevalência somente nos Estado Unidos. A revista The Lancet publicou uma análise de tendência da obesidade em mais de 200 países e os dados são alarmantemente semelhantes, especialmente entre crianças e adolescentes.

A obesidade virou o “normal”, cita um artigo publicado na BBC de Londres. A promoção de alimentos ultraprocessados, contendo excessivas quantidades de açúcar, sal e gordura é o maior fator para o aumento da prevalência de obesidade entre crianças, adolescentes e adultos. E se a tendência continuar, logo teremos mais pessoas obesas do que sobrepeso no mundo.

 Autoria: Ana Poblacion