Medidas estruturais para a promoção de escolhas alimentares saudáveis

De acordo com pesquisa feita pela Datafolha, encomendada pela organização não-governamental ACT Promoção da Saúde, medidas estruturais para diminuir o consumo de alimentos ultraprocessados e promover hábitos alimentares mais saudáveis são bem vistas pela população. A pesquisa foi realizada com 2.070 pessoas acima de 16 anos em 129 municípios brasileiros.

Quando questionadas sobre o aumento do imposto de refrigerantes e sucos industrializados e consequente aumento do preço destes produtos, 74% das pessoas responderam que diminuiriam o consumo, sendo que 51% diminuiriam muito e 23% pouco. Por conta do excesso de peso que atinge mais da metade da população brasileira, o aumento da taxação de bebidas açucaradas vem sendo discutido pelos Ministérios da Saúde, Desenvolvimento Social e Fazenda, além de ser recomendado pelo Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA) e pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

ultraprocessados

Fonte da imagem

Em relação à publicidade de refrigerantes, salgadinhos, bebidas açucaradas e macarrão instantâneo dirigidas a crianças, 52% das pessoas responderam ser totalmente contra e 19% em parte, totalizando 71%. Já sobre a inclusão de advertência nos rótulos e embalagens de alimentos e bebidas para informar sobre a alta quantidade de açúcar, sódio, gordura e calorias, 88% responderam ser a favor, sendo 83% totalmente e 5% em parte.

Atualmente discute-se na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) o modelo de rotulagem frontal a ser adotado no Brasil. Enquanto o sistema de semáforo, indicando a quantidade dos componentes por meio das cores verde (baixa), amarela (média) e vermelha (alta), apresenta a necessidade de o consumidor interpretar as informações, o que mais confunde do que informa, o modelo de advertência, como aquele adotado no Chile desde 2016, com formas geométricas e a cor preta indicando apenas os componentes em excesso, apresentam de forma clara e direta os malefícios de cada produto.

Enquanto estas medidas não são aprovadas pelo governo brasileiro, aguardamos ansiosos e esperançosos, já que somente a educação da população não é suficiente para promover escolhas alimentares mais saudáveis. Medidas estruturais como a taxação, a proibição da publicidade dirigida a crianças e o aprimoramento da rotulagem nutricional, são essenciais para as mudanças que queremos promover!

Autoria: Laís Amaral Mais