Você sabe o que são adoçantes?

  • Imprimir

adocantes

Os adoçantes são substâncias com sabor extremamente doce, não necessariamente açúcares ou polióis (açúcares alcoólicos) embora, possam contê-los como parte integrante de suas moléculas; não necessariamente energéticos e com poder adoçante muito superior ao da sacarose.

Os edulcorantes são a matéria prima dos adoçantes. Assim, temos adoçantes a partir de edulcorantes naturais ou nutritivos, que contribui com valor calórico à dieta (extraídos principalmente de plantas e frutas) e os artificiais ou não-nutritivos, que contribuem pouco ou com nenhum valor energético à dieta, produzidos a partir de edulcorantes produzidos sinteticamente, ou em laboratórios. Além disso, a utilização de adoçantes diminui o efeito fermentativo produzido pelos microrganismos.

Existem diversas classificações para os edulcorantes. Eles podem ser:

Artificiais e naturais: 
Os artificiais são o aspartame, sacarina, ciclamato, acessulfame k, sucralose, maltilol. E os naturais são manitol, sorbitol, steviosídeo, frutose, xilitol, eritritol.

Segundo o valor calórico: 
Os calóricos são sorbitol, manitol, xilitol, lactose, frutose, maltodextrina. Os não calóricos são ciclamato, sacarina, acessulfame-k, steviosídeo, sucralose, aspartame.

Nutritivos e não nutritivos de acordo com a ADA (The American Diabetes Association): 
Os nutritivos são: sacarose, frutose, glicose, lactose, polióis: sorbitol, xilitol, manitol. Os não nutritivos são: sacarina, ciclamato, aspartame, alitame, estevisídeo, acessulfame-K, sucralose, frutooligossacarideos.

As discussões que existem em torno dos seus possíveis efeitos colaterais, indicações, etc, na maioria das vezes são quase sempre inconclusivas. Poucos dados na literatura referem-se ao uso de adoçantes em crianças e adolescentes. As indicações para o uso dessas substâncias em pediatria ainda não estão bem estabelecidas, bem como as doses recomendadas.

Os diferentes edulcorantes

Sucralose 
A sucralose é o único adoçante derivado do açúcar, é estável em altas temperaturas e diversos estudos demonstraram que o sucralose pode ser consumido com segurança por diabéticos já que não tem efeito na insulina, não oferece calorias e pode ser indicados para crianças, gestantes e fenilcetonúricos.

As recomendações de ingestão diária aceitável são de 5 mg/kg/dia.

Frutose 
A frutose tem como principais características ser um monossacarídeo, hidrossolúvel, termolábil em altíssimas temperaturas com o poder adoçante de 173 vezes superior ao da sacarose e fornece 4 kcal/g.

A frutose é encontrada de:

  • Forma isolada (também conhecida como levulose): várias frutas, mas principalmente nas maçãs, melões e laranjas. Os vegetais podem conter 1% a 2% de seu peso na forma de frutose livre e mais 3% de frutose sob a forma de sacarose; Mel - 42,7% do seu peso na forma de frutose;
  • Constituinte da sacarose;
  • Constituinte da inulina: chicória, batata-doce e alcachofra de Jerusalém
  • Sob forma de rafinose (trissacarídeo) ou estaquiose (tetrassacarídeo): soja, lentilha, ervilha e feijão – não são absorvidos pelo intestino humano, sendo fermentado pelas bactérias no intestino grosso, gerando gases;
  • Produzida a partir do sorbitol

Ainda está em discussão se a frutose pode ser utilizada pelos diabéticos. A partir da observação que a metabolização da frutose independia da insulina em 1893, vários estudos posteriores reforçaram a idéia de que a frutose, assim como o sorbitol, seria benéfica na dieta de diabéticos. Porém, não existe consenso em relação ao uso desses açúcares entre os especialistas em diabetes.

A frutose é contra indicada para dislipidêmicos devido a alteração no triglicerídes e/ou no colesterol, hipertensos uma vez que o ácido úrico elevado pode ser um fator de risco para hipertensão; Obesos e pacientes com gota.

As recomendações de ingestão diária aceitável são de 30 mg/kg/dia.

Sorbitol 
O Sorbitol é originado de frutas e algas marinhas, adoça 50 vezes mais que a sacarose. Seu uso é restrito a pessoas que não são diabéticas e que não são obesas. Resiste a altas temperaturas, à evaporação e ao cozimento. As recomendações de ingestão diária aceitável são de 30 a 40 mg/kg/dia.

Acessulfame-K 
O Acessulfame-k é o adoçante mais resistente ao tempo e a altas temperaturas. Adoça 200 vezes mais que a sacarose e é eliminada totalmente pelo organismo através da urina.

Manitol 
O manitol é encontrado em vegetais e algas marinhas, tem capacidade de adoçar 70 vezes mais que a sacarose. Não é recomendado a diabéticos e produz efeito laxativo se usado em grandes quantidades.

Xilitol 
O Xilitol é um adoçante natural proveniente de plantas, frutas e vegetais. Tem o sabor semelhante ao açúcar e pode ser usado por diabéticos por ser metabolizado independente da insulina. Não existe nenhuma restrição de idade para seu uso e ele é permitido inclusive para grávidas.

Sacarina 
A sacarina tem como características ser derivada do petróleo, poder adoçante de 500 vezes superior ao da sacarose, estável ao calor e ao meio ácido, sabor residual amargo e metálico, não fornece calorias, comumente associada a outros edulcorantes como ciclamato e o aspartame.

O FDA, em 1977, proibiu a comercialização da sacarina devido a estudos que evidenciaram câncer em ratos, mas em 2000 a sacarina já estava liberada para uso, porém no rótulo dos alimentos que contêm este edulcorante é necessário que este seja quantificado. A sacarina é contra indicada para hipertensos, uma vez que possui forma sódica e cálcica. As recomendações de ingestão diária aceitável são de 3,0 mg/kg/dia (ADA, 2004).

Ciclamato 
O ciclamato tem como características o poder adoçante de 50 vezes superior ao da sacarose, ser apresentado nas formas de ciclamato de sódio, ciclamato de cálcio e ácido ciclâmico, é estável ao calor, tem sabor residual, não fornece calorias e está comumente associada a sacarina (mascara o sabor residual da sacarina e ao poder de sinérgico destas substâncias).

O Ciclamato de sódio foi aprovado pela FDA em 1951, porém diversos estudos demonstraram aumento de câncer em ratos que consumiam ciclamato de sódio. Assim o ciclamato de sódio foi proibido nos EUA e na Inglaterra tendo sua liberação em 1977, após avaliações de especialistas, a WHO conclui que o ciclamato não é carcinogênico e readmite sua venda no comércio. Hoje é usado em 40 países, inclusive no Brasil

O ciclamato é contra indicado para hipertensos devido a forma sódica. As recomendações de ingestão diária aceitável são11 mg/kg/dia (ADA, 2004).

Aspartame 
As principais características do aspartame são o poder adoçante de 43 a 400 vezes superior ao da sacarose (dependendo da forma como se apresenta e do alimento que se encontra), ser instável ao calor, não possui sabor residual, fornece 4 calorias por grama e tem o consumo liberado em mais de 90 países.

O aspartame é contra indicado para portadores de fenilcetonúria.   As recomendações de Ingestão diária aceitável são 50 mg/kg/dia (ADA, 2004).

Estévia 
As características do estévia são o poder adoçante de 300 vezes superior ao da sacarose, ser extraído da planta stevia rebaudiana bertoni, estável ao calor, sabor residual, não fornece calorias.

A recomendação de ingestão diária aceitável é 5,5 mg/kg/dia.

Texto elaborado por: Anna Helena Pedreira de Freitas