Novo filme americano Fed Up acusa a indústria de alimentos e o governo federal pela epidemia nacional de obesidade

  • Imprimir

O novo documentário “Fed Up”, lançado neste mês de maio nos EUA, aborda a questão do consumo exagerado de açúcar e junkfood e a consequente epidemia da obesidade mundial. Produzido e narrado pela jornalista e apresentadora de TV Katie Couric, o documentário promete fazer sucesso como “SuperSize Me” (a dieta do palhaço) e “Muito Além do Peso“, que também tratam desta epidemia, com diferentes enfoques.

Em “Fed Up”, Couric quis desmascarar diversos mitos da alimentação e deixar de culpabilizar somente a gula e o sedentarismo pelos altos índices de obesidade a partir da infância. Segundo as informações veiculadas pelo filme, o ganho de peso também é um resultado natural de políticas públicas frouxas e da indústria de alimentos, que se aproveita da alta palatabilidade de produtos cheios de açúcares, sal e gorduras.

De acordo com Couric, o objetivo do documentário é “que as pessoas fiquem literalmente fartas (fed up) com o sistema que permitiu que a indústria de alimentos atingisse as crianças de uma forma tão perversa, e também que as pessoas se armem com os fatos para que tenham mais controle da situação”.

O documentário apresenta também a evolução da obesidade e do diabetes a partir de 1981, quando o presidente Ronald Reagan reduziu em US$1,4 bilhão o orçamento para alimentação nas escolas, abrindo as portas para convênios com redes de fast-food como McDonald's e Pizza Hut nos refeitórios das escolas norte-americanas. Os casos de diabetes juvenil passaram de 0 a 57,938 entre 1980 e 2010, afetando especialmente a comunidade latina, na qual estas empresas se centraram.

Representantes da indústria de alimentos se pronunciaram dizendo que “o filme ignorou os passos positivos que a indústria alimentícia deu a fim de reduzir a obesidade, como a remoção de refrigerantes das escolas, a colocação de informações sobre nutrição nas embalagens, e a redução de mais de 6,4 trilhões de calorias dos mercados americanos desde 2007”.

Entretanto, de acordo com o ex-representante da Food and Drug Administration (FDA) David Kessler, a aceitação da sociedade em relação aos alimentos deve mudar da mesma forma que ocorreu com o cigarro, apesar de a dificuldade, neste caso, ser maior. Isto porque o consumo de alimentos industrializados estimula nossos cérebros, fazendo com que a vontade deste consumo só aumente. Infelizmente, Kessler pontua que “não seremos capazes de mudar a maneira com que nossos cérebros respondem aos alimentos, assim, precisaremos mudar o ambiente ou as normas sociais”.

 fed up

 Por Laís Amaral Mais e Sarah Warkentin

Assista ao trailer do documentário aqui:

https://www.youtube.com/watch?v=aCUbvOwwfWM#t=93

Leia mais em: USA Today, 09/05/2014, sexta-feira (impresso).

http://www.latimes.com/health/la-he-fedup-20140510-story.html